Social Icons

.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O lábaro escarlate

  Capítulo 1
São Paulo, 15 de março, 23h42min, aeroporto de Cumbica, aterrissou o avião na pista molhada e fria, as nuvens encobriam o céu, o saguão encoberto de milhares de pessoas, uma algazarra infinda, cansado e inebriado com o Jet lag.
Rumava para o centro, hotel a espera e alguns possíveis lugares para tirar todo o estresse lombar e avivar a mente por algumas horas, após o banho desceu e tomou um táxi até o Levenhe, um bar conhecido por sua seleta clientela e drink suavizador.
Adentrando as dependências entre uma sutil cortina de fumaça e lustres amenos, acolhido foi:
- Gostaria de uma mesa Sr. Balhardo, próxima ao relógio? – Era conhecido pelos garçons e sócios, grande e sábio administrador, íntegro e dono de dotes fisionômicos invejáveis.
- Prefiro a humilde banqueta próximo ao balcão, creio que não tardarei nessa madrugada.
- O tinto está a sua direta, sinta-se a vontade de escolher algo mais.
O gosto era intenso, esfolando a garganta como um sopro juvenil, entusiasmado era o braço que rigidamente erguia para a boca a taça de cristal que continha o líquido. Ombros e costas relaxaram, pés e pernas vigoradas e a mente tinha tomado o caminho correto das idéias, correlações com o compromisso e doçuras da noite.
Em estância encontrava alguns que já havia visto em outras viagens a capital paulista, e lembrou-se da mulher de cabelos ruivos que lhe olhara com tanta veemência. Balaustres de madeira envernizada no piso superior, música americana, pessoas falando baixo.
Estirou-se na cama e não viu sequer a cor do lençol que estava aninhado, o cansaço com a intensa pressão do álcool o fez dormir em menos de dois minutos, sono profundo porém curto, apesar de que se chegasse ao escritório com cinco horas ou mais de atraso o entenderiam e palavra alguma seria proferida em sua ou não, presença.
Com braços de um palmo de circunferência, calças grandes, camisa com botões, cabelo arrumado, foi-se para o preterido local onde estaria para resolver grandes acordos entre as empresas de cana-de-açúcar. Era um homem muito belo, alto e forte, parecia um touro, com largas costas, pernas torneadas e mãos que encobriam facilmente um seio feminino médio.
- Creio que se tiver uma contratação de duas centenas de bóias-frias a nossa produtividade no interior será melhorada, a falta de mãos de trabalho está destoando a produtividade em massa no setor, com as emendas constitucionais de facilidade de estudo e trabalho mais lucrativo por conseqüência, está dizimando o força de trabalho.
- Um caso pontual creio! Se não aumentarmos nossa produtividade estaremos poupando nossas cabeças de tanta dor, entendendo que a grande parcela dos trabalhadores usam de benefícios próprios se apoiando a lei para sugar um pouco da colheita não destinada aos próprios.
- Se pensar sempre assim Duarte, creio que terei de colocá-lo para nos ajudar a nós mesmos colhermos a cana com nossas próprias mãos!
Um silêncio e tensão costumeira bailava pela sala, Arthur com ouvidos em pé, Balhardo proferindo de sua expertise e calibre palavras que adequavam o assunto. Certamente houve uma discussão voraz e vagarosa entre os analistas, sócios e consultores.
Ao saírem de todo aquela sala enlodada de opiniões e farpas, Arthur e Balhardo foram para um restaurante próximo as imediações da empresa. A comida tinha um aspecto maravilhoso e suculento, os olhos de ambos estavam brilhantes de desejo e fome pois já era o meio da tarde e os cafés já tinham esgotado o espaço em seus estômagos.
- Duarte é um imbecil – Resmungou Balhardo com certa cólera e respiração acelerada.
- Se acalme caro, ele é apenas um embusteiro que tem a presunção sobre o negocio acima de sua capacidade mental e hierárquica.
- Sempre vou me lembrar de seu jeito sarcástico Arthur, o qual admiro e dou algumas boas risadas.
- Como estamos aqui falando das qualidades de outrem, formalmente e numa hora tão oportuna, aproveito para convidá-lo para uma breve comemoração em minha casa logo mais tarde, colocarei seu nome na portaria e o traje é fino.
- Estarei lá, um pouco de vermute me fará bem! – Riram e comeram.
  

Capítulo 2
Uma certa saudade tinha de seu antigo amor, quantas lembranças o mantinham ligados a ela, com seda branca e sempre de cabelos sedosos a sua espera em casa, com olhos felizes e lábios vermelhos, de uma altivez e proximidade cativantes. Foi tragada por leucemia quando tinha trinta e um anos, era dócil e bela como um pêssego. Sua esposa o deixou no verão de 2009, e desde a época não foram mais nada do que algumas relações rápidas e voluptuosas.
No caminho para o destino, aproveitou para comprar algum vinho que lhe fizesse a honra de sua presença, em invés de chegar com as mãos abanando, preferiu usar dessa elegante conduta.
 Sei que posso chegar lá como um amigo de Arthur, no entanto, como estar em plena paz e confortável em um local com pessoas bêbadas e usando de seu interesse para adequar-se ao mais fiel espelho de uma festa de grã-finos. Gostaria realmente de ter recusado essa presença, porém como não criar vínculos mais próximos com o mais lucrativo dos sócios. Receio de ter de conduzi-lo a esse negócio, no entanto creio que tenha idade o bastante para saber o que fazer. – Pensou e relutou consigo mesmo alguns pensamentos.
- Caro Balhardo, aqui estão alguns de meus amigos tens de conhecer! Judith, Cássio e Ricardo, meus queridos companheiros da companhia, estão presentes sempre em nossas festas e comemorações, tais presenças são indiscutivelmente necessárias.
- Espero tê-los como amigos também, tenho prazer de tocar a mão de ambos com meu espírito largo. – Disse entre um sorriso simpático.
- Espero que goste de minha recepção e que aproveite ao máximo a festa que proponho para todos e que és meu convidado maior hoje.
- Tenha a certeza que sentirei tão bem quanto pensares a musica é a mais bela que já ouvi e as mulheres mais belas que já vi.
- Não seja tão mendaz Balhardo! – Riu-se Arthur e acompanhado com seus três e amigos ou interessados capangas rumou-se para implicar com outros em uma nova mesa.
O interesse da festa já tinha se acabado, algumas bebidas já havia ingerido e estava realmente cheio de vontades de dar uma volta pelo jardim e tomar um pouco do ar mesmo que não tão fresco.
Entre alguns vasos com flores e gramas andou firmemente no corredor que dava com os fundos da grande casa, uma sutil e ligeira garoa estava pairando no ar, ele alto e grande como um urso andava pelas extremidades do jardim, analisando e pensando nos fatos e quais estratégias usaria para efetivamente acordar com os daqui.
- Está sozinho? – Uma voz feminina que não sabia de onde saia disse com tom baixo.
- Sim estou, e você onde está? Não diga que seja um espectro que pairou sobre minha presença nessa noite com lua?!
- Se fosse mesmo um não faria sequer alarde de minha presença. Sou Verônica, vi que estava um tanto entediante a festa e preferi olhar um pouco para as estrelas.
A moça usava um vestido de cor vinho, com lábios vermelhos e cabelos escuros, olhos desenhados e corpo curvilíneo, era uma belíssima moça, tinha traços da dinastia romana de tão belos e lapidados. Tinha muita graça em seu olhar e seu sorriso era intensamente forte e sensual.
- Gostaria também de me apresentar. – Interrompido pela moça.
- Sr. Balhardo! -  Exclamou a moça.
- Vejo que já me conheces!
- Há sete ou oito segundos creio, seu nome foi um tanto divulgado no jornal quanto a feitos na economia capixaba.
- Hum! Interessas por economia, acredito que tenha uma idéia sabia quanto a mercado sucroalcooleiro.
- Gostaria realmente de passear um pouco. – O interrompendo novamente.
- A dispor!
Com seu braço erguido esperou que Verônica o aceitasse como companheiro de uma caminhada e obteve êxito, ela com seu antebraço apoiado ao dele caminharam singularmente pela região fora da casa. A festa em si estava em seu declínio com pessoas e ainda bebendo, outras despedindo-se e a musica tocava muitos hits da década de 40’e 50’.
- Gostaria de utilizar um pouco dos prazeres de um sanitário, desculpe o tom, mas creio que o vinho e tenha sido destilado por meu corpo mais rápido que pensei. Vejo que ali há um, com licença, gostaria que me esperasse aqui para continuarmos nosso passeio.
Balhardo entrou e acendeu a luz, no entanto não era um toillet e sim uma fonte em desuso, tinha uma basculante grande de vidros transparentes, talvez estivesse um pouco sem reflexo devido efeito do álcool que nem tivera percebido o seu redor, mas que não havia sequer louça para fazer o que pretendia. Desabotoou as calças, colocando sobre o meio de suas coxas, camisa semi-levantada a modo que não descuidasse em nenhum momento de seu garbo vestuário. Após terminar volveu-se para Verônica.
A encarou com um olhar diferente, algo que era visível para todos, apesar de estarem sozinhos ali, porém o mesmo tivera percebido certo brilho em seus olhos. Sua boca estava tão bela como uma rosa vermelha e os cabelos adequavam a beleza de seu rosto.
- Já conhece parte do terreno?
- Muito pouco, agora nós dois desbravando um pouco mais creio que o conhecerei bem. – Ela disse com uma voz um pouco trêmula e sem entusiasmo, sua mente estava tão perdida naquele corpo viril e o membro escondido que captara após as calcas serem baixadas que mal podia selecionar as idéias corretamente.
- Esta tudo bem? Quer que eu a acompanhe até a casa!
- Não não! Não é necessário, está muito aconchegante aqui fora, lá dentro tenho toda certeza que o cheiro da comida irá me fazer mal.
- Pois bem, continuemos, gosta de animais?
- Quando mais jovem sim, hoje não tanto, tenho receio de animais muito ferozes.
Uma grande sede de volúpia tomou Balhardo, estava tão sedento que por sua vez as palavras da moça não faziam mais sentido ao curso da conversa, olhava para os lados e avistara uma garagem com dois Porches e uma lancha, algo que certamente Arthur gostava muito de fazer.
- Que tal olharmos um pouco aquela lancha, algo que me interessa muito, vim da praia não é mesmo!?
Caminharam por um minuto com um calor fora do comum entre ambos, as mãos dela estavam gélidas e ele com peito estufado já tinha aberto dois botões, pois o calor que lhe consumira chegava a suar em suas ventas.
- Lancha e carros, o que mais poderia guardar nessa porta?!
- Abra! – Disse Verônica com as mãos na maçaneta e a empurrou.
- Não há nada além de alguns objetos e um balcão velho.
- Feche a porta! – Soou daqueles lábios carnudos.
A beijou com tanta vontade que a deixou tremula e eufórica, seus braços a contornando as costas, as bocas trocando caricias intensamente, foram sugando todo o desejo que tinham e cada um foi se entregando mais naquele momento.
O pescoço branco e livre para ser agraciado, as mãos enormes dele a acompanhou por todo seu copo, tirando o vestido levemente de modo que não machucasse ou sujasse, em segundos seus seio estava sobre os lábios do homem e ele sem roupas começou a acariciar chupar aqueles lindos e volumosos seios, com sua língua e mãos. Os membros da mulher estava o tempo todo acariciando as costas largas e barriga rígida, tocando o membro duro com desejo e fervor. Algumas palavras eram ditas mas não podiam serem ouvidas totalmente e muitas delas sumiam com  a quietude do local.
Entre as pernas do rapaz já estava Verônica, enraizada naquele grande e ereto de órgão entre seus lábios pálidos e com alguns pelos cuidados, era perceptível o movimento desses corpos com o suor e vigor que mantinham nessa relação, ela tinha seu intelecto numa dança de corpos quentes e acoplados, com toda a liberdade de alcançar maiores profundidades dentro de si própria.
Ele com sua força a segurava com seus braços mantendo-a confortável de sua posição e lhe disseminando o prazer e o deleite de seu corpo, membro e do mais quente dos sentimentos. Os corpos ficaram nesse êxtase por mais de meia hora, até que o ápice de ambos o tragaram fora de seus sentidos e com fraqueza inerente.
Recompostos foram para a casa, no entanto a moça se desculpara e mudara de caminho, fora em uma versão diferente e sozinha. Continuou andando também sozinho e subiu alguns degraus ate a porta, viu que a festa ainda estava um pouco cheia, não se importando da presença sorrateira que tentou dissimular, com maestria. Sequer notaram sua falta, creio que por menos de uma hora esteve fora.
Apesar de que tudo que tivesse de explicar ou algo que suponhamos que não tenha feito, frivolamente iria se referir que tinha tomado uma fresca e depois necessitou ausentar-se para alguns telefonemas. Nesse pretexto foi despedir-se do anfitrião, que nessa altura vagamente lembrava da Fisionomia de Hugo.
Com as reverencias cumpridas, pegou o carro e voltou para o hotel, estirado somente de com o lençol e nada mais entre ele e o colchão lembrou-se de Verônica e seus lábios carnudos. A noite foi longa para Balhardo, por mais que tentasse ou mesmo uma inútil idéia de beber comprimidos para dormir o retirou desses pensamentos calorosos e sexuais. Seu corpo ainda fervia e tinha muito desejo embutido no seu peito e naquele quadril largo e desenhado.
Sem que notasse adormeceu molhado entre os lençóis, o bip do relógio novamente o acordou de assalto, no entanto, era um dia que poderia alcançar um triunfo maior do que o anterior. Como um bom homem de negócios, a data era oportuna.
Reiterado de novas noticias que permeavam os negócios um telefonema recebeu antes mesmo de sair do hotel. Era de que fosse para o aeroporto novamente, os acordos seriam tratados no Rio de Janeiro devido um novo empreendedor se aliciar a sua empresa para julgarem novos contratos pertinentes.
- Caro Hugo, fique feliz que tenha nos esperado, minha esposa resolveu nos acompanhar para a viagem, creio que lá esta um sol daqueles que os banhistas pedem aos céus!
Utilizando de um pensamento totalmente voltado para as circunstâncias ocorridas e cabalmente colocando seu interior a maquinar um desenlace de todos os mistérios e esdrúxulos sentimentos aflorados de forma tão repentina, acompanhar toda a expansão do seu coração com seu cérebro indigesto de uma fuligem de sensações desconectadas.
Sem querer encarar o tempo e as coisas que o remorso lhe trouxeram, desde a basculante até o viscoso líquido em seus lençóis. Ah que estapafúrdia! Seus pensamentos foram interceptados por uma voz.
- Senhores! Hugo Balhardo, Arthur e Verônica Toledo, ou Senhora e Senhor Toledo como quiserem, vou acompanhá-los até a entrada do avião. Espero que tenham uma viagem confortável.
O avião partiu para a cidade carioca com algumas sugestivas e latentes perguntas em suma resposta. Ele com toda sua elegância e dor mexidas com essa aventura, fez o pensar os motivos de que a bela moça utilizara de seu corpo e sentimentos para suas vontades com aquele corpo atraente e volumoso.

- M. Leite

Um comentário:

  1. Hoje, passo só para te desejar um ano de 2012 em GRANDE!
    Beijo
    Graça

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário

 
 
Blogger Templates